SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS

Digite o que procura

POLICIAL

Médico encontrado morto integrava esquema de estelionatos e tinha ido cobrar dívida

medico morto
Foto: Reprodução

Ouça POP Mais FM

O médico Gabriel Paschoal Rossi, 29, encontrado morto em Dourados (MS) com mãos e pés amarrados, na segunda-feira (7), integrava um grupo de estelionatários e foi morto por cobrar uma dívida de R$ 500 mil à quadrilha.

A informação foi divulgada pela Polícia Civil de Mato Grosso do Sul em entrevista a jornalistas nesta terça-feira (8).

A cobrança da dívida teria sido feita à principal suspeita da morte, uma mulher identificada pela polícia apenas como Bruna. Ela ainda será ouvida pelos investigadores.

Segundo a polícia, Gabriel teria começado a cobrar Bruna da dívida e ameaçado entregar o grupo à polícia.

Para a polícia, Rossi participava de golpes de estelionato antes mesmo de ter se formado em medicina. Ele faria parte em um esquema de fraude de cartões.

No entanto, os investigadores também trabalham com a hipótese de que o médico não sabia da existência da quadrilha em si, e de que mantinha contato apenas com Bruna.

A mulher teria investido R$ 150 em pagamentos aos executores, passagens e despesas, segundo a investigação. Durante o crime, Bruna não teria ido ao local do assassinato, mas apenas coordenado a ação.

Após a execução, a mulher pegou o celular da vítima, leu as mensagens e aplicou golpes nos amigos dele, além de ter esvaziado uma das contas bancárias que conseguiu acessar pelo aparelho.

A polícia já descarta o envolvimento de outras pessoas da quadrilha de estelionatários no assassinato do médico. Sobre os homens que executaram o médico, presos na segunda-feira, a polícia informou que foram contratados especialmente para realizar o crime.

Na casa onde o corpo foi encontrado, os agentes também encontraram aparelhos de tortura e choque e uma caixa com o nome da suspeita que ela teria esquecido. A tortura ocorreu a partir de asfixia e perfuração, segundo a polícia.

Relembre o caso

A Polícia Civil de Mato Grosso do Sul prendeu na manhã de segunda-feira (7) quatro suspeitos de matar o médico Gabriel Paschoal Rossi, de 29 anos. As prisões aconteceram em Pará de Minas (MG), com o apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e da Polícia Civil de Minas Gerais.

Rossi foi encontrado morto em uma casa em Dourados (MS), cidade onde morava e trabalhava, na quinta-feira (3). Ele estava desaparecido desde 29 de julho.

Ele era natural de Santa Cruz do Sul (RS), onde foi sepultado no último sábado (5).

O médico foi encontrado deitado com os pés e as mãos amarrados, já em estado de decomposição, vestindo uma roupa de hospital com o seu nome, em uma casa utilizada para locação.

Os investigadores chegaram até o corpo depois de uma vizinha acionar a Polícia Militar por causa do cheiro de decomposição.

Ela também disse à polícia que o carro de Gabriel estava estacionado em frente à casa havia dias. De acordo com a Polícia Civil, o médico estaria morto há mais de quatro dias.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Indicadas para você

NOTÍCIAS

Ouça POP Mais FM A matéria a seguir pode ser sensível para algumas pessoas. Se você está precisando de ajuda, ligue agora mesmo no...

ENTRETENIMENTO

Ouça POP Mais FM O nome do ator Manu Rios, muito conhecido por interpretar o personagem Patrick Blanco, na série Elite, da Netflix, foi...

NOTÍCIAS

Ouça POP Mais FM Um dos motoristas do presidente Jair Bolsonaro deu entrada em um hospital de Brasília apresentando problemas respiratórios, o que pode...

NOTÍCIAS

Ouça POP Mais FM A influenciadora digital e modelo OnlyFans Kerolay Chaves, 21 anos, viu seu nome tomar força nas web após declarar ter...

Copyright © 2020-23 | Revista 360º