SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS

Digite o que procura

INTERNACIONAL

Atendente morre em call center e funcionários continuam trabalhando ao lado do corpo

Ouça POP Mais FM

Inma, de 57 anos, teve um ataque cardíaco na terça-feira (13), enquanto trabalhava na empresa Konecta, multinacional espanhola de call centers. O caso aconteceu em Madri, e os funcionários acionaram o serviço de socorro, mas a mulher não resistiu.

O corpo de Inma ficou sob a custódia da polícia, ainda no chão do estabelecimento, aguardando as autoridades competentes para seguir com os procedimentos necessários. Alguns atendentes próximos, chocados e chateados com o falecimento da colega, deixaram sua estação de trabalho, mas muitos não sabiam o que fazer. Do outro lado da sala, alguns continuaram a trabalhar normalmente, sem sequer tirar os olhos da tela.

Segundo o jornal El País, um funcionário disse que perguntou se poderia sair do local, mas foi orientado a continuar, pois os atendimentos via telefone da empresa de energia elétrica são considerados um “serviço essencial”.

Ainda segundo relatos de funcionários, algumas horas depois, a responsável pela segurança do trabalho da Konecta finalmente ordenou a todos que evacuassem o local.

Mesmo com a liberação, Miguel Ángel Salinas, delegado de segurança do trabalho da CGT (uma espécie de sindicato dos trabalhadores), chegou ao escritório e encontrou uma cena que descreveu como “aterrorizante”. Quase três horas após a morte, ainda havia quatro funcionários em seus postos, atendendo chamadas.

A situação causou comoção nas redes sociais, pela suposta insensibilidade da companhia. No fim de semana, as notícias sugeriam que os responsáveis pela empresa de call center haviam dado a ordem geral para que todos continuassem em seus postos de trabalho.

Mas, de acordo com a reportagem do El País, alguns trabalhadores afirmaram que isso era “mentira”, algo que sugeriria uma crueldade que eles não haviam experimentado.

Um porta-voz da Konecta negou ao jornal que a situação tenha sido essa. “Ninguém foi forçado a trabalhar ao lado do cadáver”, declarou. Ele acrescentou que a empresa está determinada em atender os familiares da falecida, que estariam “sofrendo com o alarde da mídia”.

“Nós cuidamos muito bem das pessoas que trabalham para nós. Eles são cuidados e valorizados”, afirmou a fonte.

Porém, os colegas de Inma, que não quiserem se identificar, relataram à imprensa que o local, que conta com cerca de 70 cabines, é muito estressante.

Além da dificuldade de lidar com os clientes, muitas vezes agressivos, as pausas dos funcionários são controladas minuto a minuto, e, segundo vários relatos, os supervisores vigiam constantemente os operadores para que não diminuam o ritmo de trabalho.

Inma trabalhava na Konecta havia mais de 15 anos, e ainda não se sabem as causas exatas do ataque cardíaco. A empresa alega não ter conhecimento de problemas de estresse da funcionária, pois os exames médicos realizados pela companhia teriam enfatizado riscos físicos à coluna, à audição ou à garganta, mas não à saúde mental.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Indicadas para você

NOTÍCIAS

Ouça POP Mais FM A matéria a seguir pode ser sensível para algumas pessoas. Se você está precisando de ajuda, ligue agora mesmo no...

ENTRETENIMENTO

Ouça POP Mais FM O nome do ator Manu Rios, muito conhecido por interpretar o personagem Patrick Blanco, na série Elite, da Netflix, foi...

NOTÍCIAS

Ouça POP Mais FM Um dos motoristas do presidente Jair Bolsonaro deu entrada em um hospital de Brasília apresentando problemas respiratórios, o que pode...

NOTÍCIAS

Ouça POP Mais FM A influenciadora digital e modelo OnlyFans Kerolay Chaves, 21 anos, viu seu nome tomar força nas web após declarar ter...

Copyright © 2020-23 | Revista 360º