SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS

Digite o que procura

CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Arqueólogos descobrem cidades de 2.500 anos na Amazônia; veja fotos

Amazônia
Foto: Reprodução

Ouça POP Mais FM

Arqueólogos que trabalham nas profundezas da floresta amazônica descobriram uma extensa rede de cidades que remonta a 2.500 anos.

Um estudo publicado na revista Science nesta quinta-feira (11), intitulado “Two thousand years of garden urbanism in the Upper Amazon”, revelou a descoberta de assentamentos pré-hispânicos altamente estruturados, com ruas largas, estradas longas e retas, praças e aglomerados de plataformas monumentais no Vale Upano, no Equador Amazônico, na parte oriental dos Andes.

Essa é a descoberta da maior e mais antiga rede urbana de características construídas e escavadas na Amazônia até agora, e foi o resultado de mais de duas décadas de investigações na região pela equipe da França, Alemanha, Equador e Porto Rico.

Sítio Copueno, Vale Upano, Equador. Uma rua principal escavada atravessa a área urbana, criando um eixo ao longo do qual complexos de plataformas retangulares são dispostos em torno de praças baixas.Crédito: Reprodução: A. Dorison e S. Rostain

A pesquisa começou com trabalho de campo antes de implantar um método de sensoriamento remoto chamado detecção e alcance de luz, chamado de LiDAR, que usava luz laser para detectar estruturas abaixo das copas espessas das árvores.

O principal autor do estudo, Stéphen Rostain, arqueólogo e diretor de pesquisa do Centro Nacional de Pesquisa Científica (CNRS) da França, descreveu a descoberta como “incrível”.

Mapeamento usou engenharia avançada. / Reprodução: Revista Science

Brasil: Aldeia no Alto do Xingu

Na região de floresta do sul da Amazônia, no estado do Mato Grosso, aldeias circulares pré-hispânicas foram documentadas no Alto do Rio Xingu. Segundo o estudo, eles são semelhantes aos as aldeias modernas como Kuikuro, onde as malocas (grandes casas coletivas) estão dispostas em círculo.

Os pesquisadores registraram uma enorme praça central circular, e os maiores sítios arqueológicos podem atingir até 50 hectares, com delimitação por valas periféricas com 500 a mais de 2.000 metros de comprimento. Essas valas delimitam-se por uma resistência interior elevada, onde originalmente construíram uma cerca de madeira.

As antigas praças medem 120 a 150 m de diâmetro e as estradas chegam a até 40 m de largura.

Segundo os autores, essas vias irradiam do espaço central em várias direções para conectar-se a outros assentamentos ou locais que podem ter sido importantes para o sustento dos habitantes. Além disso, foram documentados os principais centros rituais políticos, aldeias de médio porte assim como pequenas aldeias sem praça central. Os assentamentos eram separados por rios de de até 10 km.

Esta rede urbana recentemente descoberta alinha-se estreitamente com outros locais que foram encontrados nas florestas tropicais. / Reprodução: Revista Science

‘Engenharia avançada’

“O LiDAR deu-nos uma visão geral da região e pudemos apreciar muito o tamanho dos locais”, disse ele à CNN Internacional, nesta na sexta-feira (12), acrescentando que lhes mostrou uma “teia completa” de estradas escavadas. “O lidar foi a cereja do bolo.”

Rostain disse que as primeiras pessoas que viveram lá, há 3 mil anos, tinham casas pequenas e dispersas.

No entanto, entre aproximadamente 500 a.C. e 300 a 600 d.C., as culturas Kilamope e mais tarde Upano começaram a construir montes e a colocar as suas casas em plataformas de terra, segundo os autores do estudo. Essas plataformas se organizavam em torno de uma praça baixa e quadrada.

Os dados do LiDAR revelaram mais de 6.000 plataformas na metade sul da área pesquisada de 600 km².

Sobre as plataformas

As plataformas eram em sua maioria retangulares. Porém algumas eram circulares, e mediam cerca de 20 por 10 metros, conforme o estudo. Normalmente, eles construíam-se em torno de uma praça em grupos de três ou seis. As praças também costumavam ter uma plataforma central.

A equipe também descobriu complexos monumentais com plataformas muito maiores, que, segundo eles, provavelmente tinham função cívica ou cerimonial.

Os pesquisadores descobriram pelo menos 15 aglomerados de complexos identificados como assentamentos.

E, alguns assentamentos possuíam valas de proteção, enquanto obstruções nas estradas próximas a alguns dos grandes complexos foram observadas. Os pesquisadores afirmaram que isso sugere que os assentamentos estavam expostos a ameaças, seja externas ou resultantes de tensões entre grupos.

Mesmo os complexos mais isolados estavam ligados por caminhos e por uma extensa rede de estradas maiores e retas com meios-fios.

Nas zonas tampão vazias entre os complexos, a equipe encontrou características de cultivo de terras, como campos de drenagem e terraços. Estas estavam ligadas a uma rede de caminhos pedonais, segundo o estudo.

“Por esse motivo, chamo isso de cidades-jardins”, disse Rostain, que acrescentou: “É uma revolução completa em nosso paradigma sobre a Amazônia”.

“Temos que pensar que todos os indígenas da floresta tropical não eram tribos seminômades perdidas na floresta em busca de alimento. São uma grande variedade, diversidade de casos e alguns também foram com um sistema urbanístico, com uma sociedade estratificada”, disse.

A organização geral das cidades sugere “a existência de engenharia avançada” na época, segundo os autores do estudo, que concluíram que o urbanismo de jardins do Vale do Upano “fornece mais uma prova de que a Amazônia não é a floresta intocada que já foi retratada”.

Rostain disse que deveríamos imaginar a Amazônia pré-colombiana “como um ninho de formigas”, com todos ocupados com atividades.

Redes semelhantes encontrados nas Américas

Esta rede urbana recentemente descoberta alinha-se estreitamente com outros locais encontrados nas florestas tropicais do Panamá, Guatemala, Belize, Brasil e México, segundo o arqueólogo paisagista Carlos Morales-Aguilar, pós-doutorado na Universidade do Texas em Austin, que não esteve envolvido no estudo.

Ele chamou o estudo de “inovador”, dizendo à CNN Internacional que não apenas “fornece evidências concretas do planejamento urbano avançado e inicial na Amazônia. Mas também contribui significativamente para a nossa compreensão do legado cultural e ambiental das sociedades indígenas nesta região”.

Em 2022, Morales-Aguilar fez parte de uma equipe de pesquisadores que usou o LiDAR para descobrir um vasto sítio no norte da Guatemala, com centenas de antigas cidades, vilas e vilas maias interconectadas, bem como uma área de 177 quilômetros de extensão. Além de rede de trilhas elevadas de pedra conectando comunidades.

Ele disse que as descobertas deste último estudo refletem as técnicas avançadas de agricultura e planejamento urbano que ele observou no norte da Guatemala e “oferecem novos insights sobre as complexidades dessas sociedades primitivas”.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Indicadas para você

NOTÍCIAS

Ouça POP Mais FM A matéria a seguir pode ser sensível para algumas pessoas. Se você está precisando de ajuda, ligue agora mesmo no...

ENTRETENIMENTO

Ouça POP Mais FM O nome do ator Manu Rios, muito conhecido por interpretar o personagem Patrick Blanco, na série Elite, da Netflix, foi...

NOTÍCIAS

Ouça POP Mais FM Um dos motoristas do presidente Jair Bolsonaro deu entrada em um hospital de Brasília apresentando problemas respiratórios, o que pode...

NOTÍCIAS

Ouça POP Mais FM A influenciadora digital e modelo OnlyFans Kerolay Chaves, 21 anos, viu seu nome tomar força nas web após declarar ter...

Copyright © 2020-23 | Revista 360º